Crítica de 'Hounds of Love': o filme mais perturbador de 2017 até agora

O serial killer de Ben Young mergulha na escuridão e leva você com ela.

Ben Young estreia na direção de Cães do amor vai fazer você querer desviar o olhar e, ainda assim, você pode se encontrar lutando para tirar os olhos da tela. Essa é a natureza de um filme tão brutal e esmagador, ao mesmo tempo que é um thriller magnificamente rodado e impecavelmente editado. Felizmente, Young é um cineasta inteligente o suficiente para saber quando desviar o olhar por você.



Ambientado na década de 1980 em Perth, Austrália, Cães do amor segue um casal de assassinos em série que espreita, rapta, estupra e mata mulheres jovens. É um golpe violento e horripilante, e Young sabe muito bem que não deve ser fácil de assistir. Na verdade, não é o assunto que é especial - uma linda jovem é abduzida e coisas horríveis acontecem com ela, é a abordagem de Young a isso. Nós vimos essa narrativa básica se desdobrar infinitas vezes no entretenimento, seja em thrillers de terror polpudo ou em sua rede processual semanal favorita. Mas Young aborda o assunto com seriedade e suavidade, tornando-se íntimo de seus monstros de uma forma que exige habilidade cuidadosa, personagens totalmente realizados e contenção cuidadosa.



Imagem via Gunpowder & Sky

Cães do amor começa a ficar inquieto desde o primeiro tiro, uma visão lenta e prolongada dos corpos de alegres colegiais suburbanas que parecem explicitamente olhares lascivos e lascivos. Logo aprendemos que é o olhar de João ( Stephen Curry ) e Evelyn ( Emma Booth ), o par psicopata que pega e se livra de uma das jovens núbeis em nenhum momento. É uma introdução instantânea à depravação que nos torna totalmente cientes do que os assassinos são capazes antes de encontrarmos nosso herói, sua próxima vítima. Vikki ( Ashleigh Cummings ) é uma adolescente bem-humorada e esperta que luta contra o divórcio dos pais. Como adolescentes angustiados costumam fazer, ela se rebela fugindo, se envolvendo com drogas e geralmente se isolando de seus pais amorosos por meio de sarcasmo e atitude. Certa noite, a caminho de uma festa, John e Evelyn oferecem uma carona a Vikki e, embora ela esteja relutante, a presença de uma mulher a conforta o suficiente para fazer a escolha errada e, antes que ela perceba, ela está trancada e acorrentada a uma cama onde todos tipo de pesadelos se desenrola.



Como eu disse, Young é inteligente o suficiente para desviar o olhar e, felizmente, esses pesadelos acontecem fora da tela. Ele apenas nos mostra a aterrorizante preparação, os gritos devastadores e lutas inúteis de Vikki, e as consequências devastadoras que mantêm uma quietude muito quieta enquanto Evelyn se arrasta para o dever de limpeza. Basta pintar um quadro e sua imaginação preenche os espaços em branco com o pior cenário possível (e todos os cenários são ruins), mas Young evita explorar o assunto em questão. Não há excitação nesses atos, apenas uma escuridão tempestuosa e doentia que se instala em sua alma.

Imagem via Gunpowder & Sky

Por que assistir então? Porque a violência e a tristeza prepararam o palco para uma vivissecção fascinante do mal cotidiano. Enquanto Cães do amor é horrível, em última análise é mais drama do personagem do que terror. Young quer explorar honestamente esses assassinos e sua vítima. Ele quer saber o que os move, o que os faz amar um ao outro e o que os faz ficar juntos. Você pode recuar, mas Young não. O filme ganha vida quando se concentra na relação entre Vikki e Evelyn, que rapidamente se torna a personagem mais intrigante. Não demorou muito para o público, e Vikki junto com a gente, perceber que Evelyn é outra vítima de John, mesmo que ela tenha se tornado um monstro por seus próprios méritos. Evelyn teve uma vida antes de John, uma vida pela qual ela ainda anseia de muitas maneiras, mas seu amor obsessivo por ele a leva a ser igualmente cúmplice de seus atos horríveis. Young oferece um tratado sobre o amor tóxico, a dinâmica do poder manipulador distorcida e corrompida, e ele tem a coragem de despojá-lo de suas verdades mais feias. Quando você vê uma mulher lavando o sangue de brinquedos sexuais manejados com violência, você a vê despida como a criatura banal, deplorável e horrível em que ela se tornou. E ainda há uma luz nela, o fantasma da mulher que ela costumava ser.



Booth assume o papel com uma atuação surpreendente e estimulante que implora que você perdoe Evelyn, mesmo sabendo que ela é imperdoável. O filme vive e morre pela sua capacidade de sentir empatia por ela e, em um truque de magia negra, Young e Booth o realizam com o retrato de uma mulher desesperada e destroçada cuja capacidade de aversão a si mesma só se compara à sua abnegação. Quando Vikki vê as rachaduras em Evelyn e, por sua vez, em seu relacionamento desgastado com John, a jovem inteligente começa a puxar os fios de sua dinâmica, na esperança de desvendá-los antes que decidam que se cansaram dela. Um prazo que pode chegar a qualquer momento. Como o sobrevivente intrépido, Cummings faz um trabalho maravilhoso com recursos limitados. Ela passa a maior parte do filme acorrentada a uma cama, mas a jovem atriz faz a ação das engrenagens girando em sua cabeça, e Young estrutura o filme para que você sempre saiba o que ela está fazendo, mesmo que nunca seja vocalizado.

O produto final é um jogo de três mãos devastador que oferece um mergulho profundo nos vilões do mundo real que andam pelas ruas entre nós. Assistir Cães do amor é sentir o pânico de saber que o estranho ao seu lado pode ser capaz de matá-lo com um sorriso. Este filme olha para o vazio e pinta uma imagem impressionante e perturbadoramente bela da escuridão que se esconde ao nosso redor à vista de todos. Funciona porque Young o trata com respeito, honrando a realidade da situação. Este filme parece que poderia ser retirado das páginas de um livro de psicologia forense (embora não seja tão chato). Mais importante, Cães do amor é um filme que admira sua vítima, celebrando sua força ao mesmo tempo em que revela as fraquezas de seus captores. Young está mais interessado no abusado do que no agressor, e o resultado é um drama ambicioso e difícil de engolir, alimentado por performances destemidas e empatia extraordinária.

qual é o programa número um na netflix

Avaliação: B +

Imagem via Gunpowder & Sky