Análise de Blu-ray de THE THIRD MAN do Studio Canal

Crítica em Blu-ray de THE THIRD MAN do Studio Canal, estrelada por Orson Welles, Joseph Cotton, Alida Valli, Trevor Howard,

A Criterion teve vários títulos esgotados ao longo de sua exibição em DVD. Isso tinha tudo a ver com quem possuía um determinado título, já que o Critério frequentemente licencia algo, e se esses direitos mudarem de mãos ou os proprietários pensarem que podem fazer um trabalho melhor ou ganhar mais dinheiro do que você consegue um item de colecionador. Um dos golpes mais viscosos (ou a melhor notícia de todos os tempos para quem gosta de vender material impresso) foi quando o Studio Canal recuperou os direitos de cerca de cinquenta títulos, incluindo dois títulos que haviam chegado ao Blu-ray: O terceiro homem e O homem que caiu na terra . Para quem quer apenas o filme, O terceiro homem foi relançado pela Lionsgate em uma adição que apresenta uma transferência 1080 diferente do filme e, principalmente, suplementos diferentes. Critério-o-philes dirá a você que a nova versão é inferior. E minha análise da nova adição de O terceiro homem em Blu-ray segue após o salto.



Basicamente, a menos que você seja Jeff Wells e não goste de grãos, a edição Criterion é de longe a vencedora em termos de qualidade de imagem e som. Aqueles que estão batendo neste disco estão sendo um pouco duros, esta é uma transferência 1080 aceitável e, embora haja arranhões, não é tão ruim, apenas não é tão bom. Se não houvesse uma edição Criterion para comparar, seria uma atualização razoável. E mesmo que alguém o comparasse com o disco duplo Criterion anterior, a melhor qualidade de imagem 1080p compensaria a transferência menos precisa. Mas em comparação direta, esta é uma boa apresentação, porém mais plana.



Quanto ao filme, demorei muito para chegar à casa de Carol Reed O terceiro homem . Essa é a natureza das listas das “melhores de todos os tempos”. Quando você ouve que um filme é um clássico, às vezes o que o torna tão maravilhoso foi digerido antes de assisti-lo, e quando você sabe que o filme é sobre Harry Lime (Orson Welles), e sua falsa morte, esperando o Lime aparecer muda como você observa a primeira hora.

Mas há tanto valor aqui que fico um pouco envergonhado por demorar um pouco para ir ao filme - embora deva dizer que sou um grande fã de outras obras-chave de Reed desse período ( Odd Man Out , The Fallen Idol e Párias da Ilha valem a pena caçar). Trabalhando a partir de uma história de Graham Greene (do próprio roteiro de Greene, com contribuições de Welles e Reed se os rumores forem verdadeiros), segue a escritora de hack Holly Martins (Joseph Cotton) quando ele vem a Viena para trabalhar. Harry mandou chamá-lo, mas Harry faleceu recentemente. Há testemunhas, mas Martins decide fazer sua própria investigação improvisada. Isso o leva à garota de Lime, Anna Schidt (Alida Valli), para quem Lime fez papéis, mas ofereceu pouco. Holly é atraída, mas não oferece nada do brio de Harry, e por isso seus interesses são frustrados. A polícia quer que Martins volte para casa o mais rápido possível, pois ele não passa de um estorvo e não conhece o amigo tão bem quanto pensa. Como o Major Calloway (Trevor Howard) finalmente o informa, Lime tem vendido penicilina no mercado negro e tem matado muitas pessoas inocentes.



Quando as histórias das testemunhas se confundem e uma morre, Martins finalmente consegue um momento com o Harry não morto. Os dois vão dar um passeio em uma roda-gigante e têm uma cena que é uma das falas e momentos mais famosos do cinema. “Como o sujeito diz, na Itália por 30 anos sob os Borgias eles tiveram guerra, terror, assassinato e derramamento de sangue, mas eles produziram Michelangelo, Leonardo da Vinci e o Renascimento. Na Suíça, eles tinham amor fraternal - eles tiveram 500 anos de democracia e paz, e o que isso produziu? O relógio cuco. Tão longo Holly. ” A partir daí, o filme aumenta a tensão e se torna um dos grandes filmes noirs estrangeiros.

Fotografado por Robert Krasker - um dos grandes mestres da cinematografia - o filme é tão tortuoso quanto Harry, literalmente. Muito do filme é filmado em ângulos holandeses (talvez o Battlefield Earth diretor era um fã), e o filme leva a um dos maiores cenários, com Lime sendo perseguido nos esgotos vienenses por policiais e Martins. Tematicamente, há muita coisa acontecendo que liga o interesse de Greene e Reed em traição e compreensão, e a desconexão de linguagem é usada com um efeito brilhante. Há também aquela maldita música Cítara que começa bem-humorada e depois fica mais sinistra e sarcástica. Como o uso de ângulos holandeses, é o tipo de escolha ousada que apenas um mestre poderia fazer, porque exige um compromisso real com algo que pode provar afeição ou aborrecimento.

O filme é apresentado em sua proporção de aspecto original (1,33: 1) e em Dolby digital mono. As únicas transições do lançamento da Criterion são o drama de rádio spin-off “A Ticket to Tangiers” (1951, 29 min.). É um episódio da série 'The Lives of Harry Lime', escrito e interpretado por Orson Welles. Também foi transferida a narração de abertura do filme fornecida por Joseph Cotton para o lançamento americano, onde a versão em disco abre com o próprio Carol Reed fazendo a narração. Os demais suplementos são exclusivos deste conjunto. Há dois trailers e um comentário do diretor assistente Guy Hamilton, do ator / historiador Simon Callow e 2WLUnit Continuity Angela Allen, um tour interativo por Viena mostrando os locais de então e agora, uma galeria de fotos, entrevistas em áudio com Cotton (47 min.) E Greene (8 min.), E uma entrevista e performance da tocadora de cítara Cornelia Mayer ( 4 min.). The Criterion tem suplementos muito melhores, mas está esgotado. Se você adora o filme, vale a pena caçar ou agarrar-se ao lançamento original, mas isso vai servir.